17/11/2013


Temos de sentir compaixão para com tudo, até para com o sofrimento incomensurável do suicida. O suicida quer matar a sua dor, não a sua existência. Ele continua a amar profundamente a vida, mas não suporta mais a dor que lhe rói a alma sem dó.
Fernando Alvarado

Sem comentários:

Enviar um comentário